23 de fev de 2010

A CIDADE DOS 100 SEM

José Amauri Clemente
Todos os direitos reservados

100 versos contando a realidade do municipio

Sem poder mais esperar
Sem ver futuro melhor
Sem ninguém pra me explicar
Sem poder mais falar só
Sem medo vou dizer cem
Sem esconder pra ninguém
Sem ajuda, pois não tem!
Sem querer ver o pior

Sem emprego para o povo
Sem vontade de esperar
Sem esperar algo novo
Sem chance de melhorar
Sem ter oportunidade
Sem melhora na cidade
Sem medo falo a verdade
Sem alguém pra me livrar

Sem dinheiro pra saúde
Sem posto para atender
Sem pagar a energia
Sem leito para acolher
Sem escola pra formado
Sem carro pra o delegado
Sem nada poder fazer

Sem praça organizada
Sem limpeza para o rio
Sem luzes nas avenidas
Sem gás pra molhar pavio
Sem dinheiro pra comprar
Sem chance de arrumar
Sem tirar vida do fio

Sem valorizar o nome
Sem lavoura pra vender
Sem poder levar pra fora
Sem preço pra concorrer
Sem ter ajuda do nobre
Sem ver agiota pobre
Sem chance para escolher

Sem salário no meu bolso
Sem poder negociar
Sem lutar pelos direitos
Sem chance de chegar lá
Sem ter ninguém do meu lado
Sem cheque ser compensado
Sem chance de reclamar

Sem chance de bom emprego
Sem industria na cidade
Sem o pagamento em dia
Sem honra pela verdade
Sem esporte para o povo
Sem receber algo novo
Sem ter oportunidade

Sem creche para as crianças
Sem clube para dançar
Sem um matadouro público
Sem data pra inaugurar
Sem promessa de melhora
Sem poder espero a hora
Sem escola pra formar

Sem ninguém pra defender
Sem um líder pra lutar
Sem fugir dos agiotas
Sem ninguém poder falar
Sem alguém na prefeitura”
Sem remédio para a cura
Sem ninguém poder tirar

Sem ligar mais para o povo
Sem valorizar a vida
Sem olhar para o faminto
Sem consolo sem guarida
Sem líder de coração
Sem alguém pra dar a mão
Sem promessa adquirida

Sem ambulância pra o povo
Sem caçamba na cidade
Sem garagem bem fechada
Sem palavra da verdade
Sem saída pra Correntes”
Sem hospital pra os doentes
Sem ter mais privacidade


Sem dinheiro pra comprar
Sem data pra receber
Sem feira movimentada
Sem ter com quem concorrer
Sem atenção sanitária
Sem matar a solitária
Sem forças para correr

Sem colégio terminado
Sem policia e segurança
Sem celular na cidade
Sem fiscal para a matança
Sem quadra de futebol
Sem peixe para o anzol
Sem banco para fiança

Sem ter fiscalização
Sem um bom investimento
Sem um líder que não deve”
Sem ter abastecimento
Sem esgoto bem coberto
Sem poder sair de perto
Sem poder comprar cimento

Saiba qual é a cidade
Aqui citada no verso
Não esconda seu direito
Trate de buscar progresso
Aumente a sua coragem
Não dê ouvida a bobagem
Acorde para o sucesso

Dou a oportunidade
Ouvidos ponho a escuta
Melhora tem quem a Busca
Unidos na mesma luta
Não pode ficar Assim
Derrotado isso é ruim
Agora posso falar
Útil será reclamar
Alto em favor do povo
Logo teremos o novo
Quando alguém for lá buscar.


Jogo este em que vivo
Onde poucos se defendem
Sem valorizar a vida
Espertos nunca se rendem
Agora chegou a hora
Mostre que a luta é agora
Alto erga sua mão
Una força dê a mão
Ria do mundo de dores
Iremos ser Vencedores
Basta levantar do chão.


Situação do município de Santana do Mundaú entre os anos 1995 a 2004.

1: Foi cortada a energia de todos os prédios públicos por falta de pagamento.
2: O matadouro estava em fase de acabamento a nove anos.
3: O líder do poder executivo aparecia na cidade uma vez por semana.
4: Não há estrada asfaltada para correntes
5: Denuncia de que o líder do poder executvo e legislativo estavam envolvidos com agiotagem.
6: Os funcionários passavam meses sem receber seus salários.



AUTOR: JOSÉ AMAURI CLEMENTE


Santana do Mundaú - Al Julho 2003

HOJE 2010 A REALIDADE DESTE MUNICIPIO É OUTRA, MUITAS COISAS MUDARAM PRA MELHOR,
MAIS HÁ AINDA O QUE MELHORAR.

Nenhum comentário:

Postar um comentário