11 de jan de 2013

A CATÁSTROFE DO NORDESTE

















Em versos quero narrar
Uma historia verdadeira
Que aconteceu em Alagoas
Terra boa e hospitaleira
Uma catástrofe terrível
Que fez grande bagaceira

Dois mil e dez foi o ano
Dia dezoito se deu
Mês de junho foi chuvoso
Foi aí que aconteceu
A maior enchente do século
E muito gente morreu

Por volta do meio dia
O Rio Mundaú transbordou
Levou casa, loja e prédio
E ruas "escavacou"
Levando moveis do povo
Quem viu assim relatou

Todo comercio da cidade
Ficou na lama e no frio
Quem viu na televisão
Mesmo assim teve arrepio
Vendo tudo ser arrastado
Na correnteza do rio

"Bujão", mala e guarda roupa
Tv, sofá, e fogões
Cadeira som e cozinha
Geladeiras e portões
Tudo descendo nas águas
Levada nos turbilhões

Até mesmo caminhão
Carro pequeno também
Foram todos arrastados
Sem procurar ser de quem
Chorava ricos e pobres
Os que tinha e os que não têm

Todos os comerciantes
Perderam mercadoria
Foram centenas de reais
Perdidos na agonia
Alguns chamavam por Deus
Outro pela Virgem Maria

Veio à noite em bagaceira
E a energia faltou
O povo desesperado
A maioria chorou
Pelo fato acontecido
Ninguém mais se contentou

Quinze dias sem TV        ,
Internet, Rádio ou som
Veio o exercito ao local
Pra dar assistência e tom
Para acalmar o povão
Que não estava achando bom

Morreu gente em Mundaú
Em união e correntes
Branquinha foi destruída
Deixou tudo descontente
Estes fatos irão ficar
Guardados em nossa mente

Dois anos já se passaram
Muitos não recuperaram
Casa e bens que perderam
Só promessas nos falaram
Fizeram grande alvoroço
Mais agora se calaram

As grandes autoridades
Não falam nem nos procuram
Nos deixam tudo a mercê
Nem investigam ou apuram
Nos maltratam com promessas
Machucam e depois não curam

Temos ainda esperança
E vamos sonhar assim
Que mesmo sendo esquecido
Venceremos o que ruim
A vitória sempre vem
Esperança ainda tem
Para você e pra mim.

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS