15 de mar de 2010

MUITO LONGO, MAS VALE A PENA LER

JORGE ROBERTO

A História que vou contar
É de natureza real
Aconteceu no Peru
Em Lima, a capital
Foi contada em um sermão
De um pastor oficial.

Mostra-se nesta história
O poder transformador
Daquele que tudo pode
O GRANDE DEUS DE AMOR
Quando olha as condições
De um homem pecador

A nossa História começa
Em uma evangelização
Feita pelo pastor Bullon
Que tinha esta função
De pregar o Evangelho
Pra toda aquela nação

Foi o pastor enviado
Para aquele país
Para pregar a mensagem
É assim que ele nos diz
Falar do poder de Deus
Por isso estava feliz

Como era de costume
Sempre a igreja fazer
Visitava todo o bairro
Chamava o povo pra ver
E todos ficavam esperando
O que ia acontecer

Foi em uma grande favela
Que o pastor foi pregar
Em uma noite ele vinha
Depois de ir visitar
E convidar todo povo
Para ir presenciar

Alguns homens lhe atacaram
Disseram: Fique onde está
Se não fizer reação
Nós não vamos lhe matar
Entregue tudo que tem
Se você quiser escapar

O pastor muito assustado
Tudo entregou direitinho
Uma caneta de ouro
Que tinha muito carinho
Levaram seus documentos
E o deixaram sozinho

Depois de tudo passado
Nada mais lhe ocorreu
Mesmo estando assustado
Ao Senhor agradeceu
Mais uma vez o Senhor
Ajudou um servo seu

Esse assalto acontecido
Tinha um propósito de Deus
Pois quem pode discutir
Ou discordar dos planos seus
Vou narrar este milagre
Com versos que sejam meus

Mesmo depois do assalto
O pastor continuou
Fazendo sempre o convite
A todos que encontrou
E no dia então marcado
O programa iniciou

No dia da abertura
Muita gente apareceu
Para ouvir a pregação
Até quem não recebeu
Convite veio pra ver
O evento que se deu

Assim nos conta o pastor
Que durante a pregação
Um jovem lhe observava
E lhe chamou atenção
A forma como ele olhava
Durante sua pregação

O jovem que estava ali
Não estava interessado
Na mensagem apresentada
Nem no que era falado
Seu interesse era outro
Isso aí foi relatado

Pra ficar na recepção
Jovens eram convidadas
Bonitas e bem atraentes
Por muitos, admiradas
Para receber o povo
Eram todas bem treinadas

Isso atraia os jovens
Que mesmo sem compromisso
Iam até o local
Ver como ocorria isso
Muitos iam bagunçar
E fazerem reboliço

Um dos jovens da bagunça
Encarava o pastor
Quando o pastor olhou pra ele
Este logo recuou
Por causa deste detalhe
O pastor desconfiou

No final de cada culto
Ao fim da apresentação
Todos davam os seus nomes
Ao grupo de oração
Logo no dia seguinte
Era feita visitação

O propósito da visita
Era estudo encontrar
Reforçar sempre o convite
Para a noite sempre está
O ginásio sempre cheio
De gente para escutar

Por providencia divina
Foi o pastor visitar
Em um bairro da favela
E onde havia de passar
Foi o local onde o homens
Lhe pegaram pra roubar

Com o nome dos convidados
Que deveria visitar
Tendo escrito o endereço
Ia com ele falar
Era a sua tarefa
A todos ir visitar

Em um dos barracos pobre
Perguntou por um rapaz
Por nome Jorge Roberto
A mãe disse: Não está mais
Volte aqui outro dia
Saia e nos deixe em paz

O pastor já havia visto
Quando o rapaz se escondeu
Por detrás de uma parede
E ele nem percebeu
O Pastor disse ele está!
Diga a ele que sou eu

Eu sou o pastor Bullon
Vim aqui lhe convidar
Para ir ao ginásio
Outra vez nos visitar
Pois sentimos sua falta
Ele não indo mais lá.

O rapaz então saiu
Vestido apenas no calção
Mal encarado perguntou:
Por que a preocupação?
Por que quer que eu vá de novo
Ouvir sua pregação?

Sentimos a sua falta
Você não nos visitou
Não vimos mais você lá
Do que foi que não gostou?
Aprendeu alguma coisa
Com o que presenciou?

Começaram a conversar
O jovem desconfiado
Parecia estar com medo
O pastor muito educado
Levou pra ele o convite
Como havia planejado

O jovem mal encarado
Disse: Tá falando demais
Se soubesses quem eu sou
E do que eu sou capaz
Não pedias pra eu voltar
Aquele lugar de paz

Eu não sei quem é você
Assim lhe disse o pastor
Mais sei de alguém que lhe conhece
E que lhe tem muito amor
E este quer te salvar
É Jesus o redentor

Em questão de pouco tempo
Jorge então acreditou
Que podia confiar
Naquele jovem pastor
E Revelou um segredo
Ao servo do Senhor

Pastor me preste atenção
Não fique sendo enganado
O senhor lembra do dia
Que aqui foi assaltado
Eu sou um daqueles jovens
Que ao senhor tem roubado

Sua caneta de ouro
E outros pertences seus
Eu roubei, sem nem saber
Se o senhor temia a Deus
Foi eu que lhe ameacei
Junto com colegas meus

O pastor muito surpreso
Do que acabara de saber
Disse: Quero os meus pertences
Você tem que os devolver
Você está me confessando
O que poderei fazer?

Não posso lhe devolver
Não tenho mais o que roubei
Dividi com os amigos
E minha parte gastei
Você sabe muito bem
Que essa é a nossa lei

Sei também que o senhor
Não pode exigir de mim
O que roubei tá roubado
A minha lei diz assim
Mais como gostei do senhor
Vou dar-lhe uma chance sim

- Vamos fazer um acordo
Disse então o pastor
- Vou dirigir trinta noites
De louvores ao senhor
Não perca nenhuma delas
Este é o seu penhor

Se você nos visitar
Durante as programações
Está tudo perdoado
Esqueço suas ações
Não importa o que penses
Nem outras opiniões

Assim fecharam um acordo
O pastor e o assaltante
Que este lhe visitaria
Este achou interessante
O pastor se despediu
E continuou avante

Só pelo poder de Deus
Esse acordo foi firmado
Então na noite seguinte
O rapaz foi esperado
E apareceu somente
Pra cumprir o combinado

Não prestava atenção
No que ali era falado
Olhava pra o pastor
Um pouco desconfiado
Como quem diz: Tô aqui
Cumprindo com o combinado

Muitas noites se passaram
E o pastor em oração
Pedia ao Deus do céu
Que mudasse o coração
De alguém que ali viesse
Ouvir a programação

Uma noite então pregou
Sobre o novo nascimento
Contou a História de um homem
Que teve conhecimento
Do sacrifício de Cristo
E seu grande sofrimento

No final da pregação
Fez um apelo inspirado
Que viesse para frente
Quem Deus havia tocado
Mostrando publicamente
Que a Cristo havia aceitado

Muita gente demonstrou
Que a Cristo havia aceitado
Vieram então à frente
Atendendo o seu chamado
O pastor fez a oração
E todos foram abençoados

Todos saíram da sala
Depois de ser confortado
Mais um dos jovens ficou
Em um banco ali sentado
De cabeça sempre baixa
Um pouco desconfiado

Parecia estar chorando
O pastor lhe perguntou:
O que houve com você?
Por que não se levantou?
O rapaz já em soluço
Para o pastor perguntou:

- É verdade tudo isso
Que senhor falou pra mim?
Que Jesus perdoa tudo
Que agente faz de ruim?
Diga-me quero saber
Se é realmente assim

É verdade meu rapaz
Jesus perdoa pecados
Não importa o seu tamanho
Deus não vive de passados
Todos que o aceitarem
Serão por Ele perdoados

O senhor só fala isso
Por que não conhece a mim
Não conhece o meu passado
Nem imagina o meu fim
O senhor é mentiroso
Por está falando assim.

Eu não sei quem é você
Nem como você se chama
Mas acreditando ou não
Saiba que Jesus te ama
E espera por você
Não importa sua fama

Pastor – Disse o rapaz:
Tem tempo pra me escutar?
Gostaria que me ouvisse
O que tenho pra contar
Depois de ouvir minha história
Sua crença vai mudar

Eu sou quem lhe assaltou
Como eu mesmo lhe falei
Já fiz muita coisa ruim
E a muitos assassinei
Já fui preso muitas vezes
E muitas vezes roubei

Meu nome é Jorge Roberto
Todo mundo teme a mim
Sou mal visto aí por todos
Por ser criatura ruim
Não era esse o meu plano
O destino quis assim

Já fiz muita atrocidade
Estupro já cometi.
Já matei pai de família
Tantos que já esqueci
Fui obrigado a roubar
Só assim sobrevivi

É fácil para o senhor
Dizer que Jesus perdoa
Um fumante e beberrão
Que vive por aí atôa
Um ladrão ou mentiroso
Ou mesmo qualquer pessoa

Porém perdoar a mim
Isso eu não acredito
Tudo que o senhor falou
Eu acho muito bonito
Mais pra mim não tem mais jeito
Por que sou homem maldito

- Claro que Jesus perdoa
Disse o pastor com amor:
- Ele sempre sabe tudo
E conhece sua dor
Sinta-se já perdoado
Se a ele confessou

O senhor só diz assim
Por não saber meu passado
De todo mal que eu fiz
Nada me sinto culpado
Como pode alguém assim
Por Jesus ser perdoado?

-Vou lhe contar minha história
Disse o rapaz chorando
Minha mãe sempre foi pobre
Porém nunca andou roubando
Mais por ter necessidade
Acabou se depravando

Fiquei sem pai logo cedo
É daí que tudo vem
Minha mãe desempregada
Sem ajuda de ninguém
Com os filhos pra criar
E sem ganhar um vintém

Foi obrigada por isso
O seu corpo então vender
Muitas vezes me deixou
Sem nada para comer
Ia pra rua forçada
Pois não podia escolher

Nunca conheci meu pai
Mamãe nunca me falou
Se era feio ou bonito
Qual a sua raça ou cor
Foi com muito sofrimento
Que minha mãe me criou

O tempo passa depressa
Deixa tudo para traz
Só levamos conseqüência
Daquilo que agente faz
Sofre o sim e o não culpado
Seja ele ou não capaz

Minha mãe já na velhice
Nenhum homem lhe queria
O tempo passou levando
A beleza e alegria
Não era isso pastor
Que a minha mãe queria

Um dia eu cheguei em casa
Já era um rapaz feito
Encontrei mamãe doente
Vomitando no seu leito
Ao ver toda aquela cena
Doeu dentro do meu peito

Sem remédio pra tomar
Nada tinha sido feito
Eu sabia que era o fim
Se eu não buscasse um jeito
De salvar a minha mãe
Tudo estava desfeito

Era uma doença grave
Muito sangue vomitava
Olhei pra todos os lados
Nenhum recurso encontrava
Lembrei então do comercio
Onde a solução estava

Corri então como louco
Desci o morro apressado
Estava super nervoso
Pois nunca havia roubado
Fui obrigado a fazê-lo
Por está naquele estado

Encontrei uma senhora
Bem vestida e adornada
Sei que pra quela senhora
Nunca lhe faltara nada
Foi aí que entrei pra sempre
Nesta vida desgraçada

O que consegui roubar
Da bolsa dessa senhora
Levei para um colega
Que comprou tudo na hora
Pagou em dinheiro vivo
E eu voltei sem demora

Comprei então os remédios
Para minha mãe tomar
A partir daquele dia
Pude a decisão tomar
Que dentro da minha casa
Nada podia faltar

Me envolvi então com drogas
Na intenção de ganhar mais
Já roubei já fui roubado
Já fui passado pra traz
Hoje vem o senhor dizer
Que Deus tudo isso desfaz?

Tenho vontade pastor
De deixar toda esta vida
Sei que tudo que passei
Foi tudo ilusão perdida
Gostaria de hoje ser
Homem de cabeça erguida

O pastor lhe aconselhou
Segurando sua mão
Disse: Eu conheço a dor
Que tem no seu coração
Mais aceitando Jesus
Ele te dará perdão.

Jorge então Saiu chorando
Sem querer acreditar
Que tudo quanto ele fez
Deus podia perdoar
Mesmo assim clamou a Deus
Pra sua vida mudar

Toda noite estava lá
Ouvindo a programação
Pedindo forças a Deus
Pra mudar seu coração
E cada vez conhecendo
O Deus que lhe deu perdão.

Mais como era viciado
Em maconha e cocaína
Não era fácil mudar
Aquela maldita sina
Mais o Senhor muda tudo
E a tudo determina

Uma noite ele faltou
A uma programação
As recepcionistas
Fez a notificação
Para ir lhe visitar
E saber qual a razão

Antes mesmo de acabar
Alguém veio até alí
Procurando o pastor
- O senhor precisa ir
Falar com Jorge Roberto
Ele vai se destruir.

Era a mãe do rapaz
Pedindo ajuda ligeiro
Veio trazendo o recado
Servindo de mensageiro
Tava chorando abatida
No maior do desespero

Ao chegar em sua casa
O pastor ficou pasmado
Pois encontrou o rapaz
Partes do corpo arranhado
Preso com os pés e as mãos
Dentro do quarto amarrado

Depois sua mãe contou
Todo caso acontecido
Para ela lhe amarrar
Como ele havia pedido
Se tivesse feito isso
Tudo estava perdido

Já fazia alguns dias
Que Jorge estava a lutar
Contra a ausências das drogas
Pois não queria mais usar
Estava ele disposto
A tudo abandonar

Pastor, dizia o rapaz
-Me ajude, por favor.
Peça ao Deus poderoso
Pois ele atende ao senhor
Quero me livrar do vício
Minha vida é um horror

Pedi pra me amarrarem
Pois não quero mais usar
Droga de tipo nenhum
Pois sei o erro onde está
Ore para Jesus Cristo
Pra ele me libertar

Eu acredito pastor
Que Jesus me perdoou
Não por meu merecimento
Tão pouco pelo que sou
Mais por seu precioso sangue
Que lá na cruz derramou

O pastou lhe prometeu
Que ia lhe dar assistência
Ia pedir oração
Bastava ter paciência
Pois o poder de Jesus
Supera qualquer ciência

Realmente aconteceu
Não foi fácil, é verdade.
Muitas vezes ele caiu
Voltou à marginalidade
Mais um milagre aconteceu
Que abalou a cidade

Jorge Roberto venceu
O vício e a provação
Tornou-se um servo de Deus
Com muita dedicação
Vivia do seu trabalho
Dedicado a oração

Não foi fácil ainda mais
Deixar a gang em que estava
Toda dia quase sempre
O grupo lhe ameaçava
O líder dizia a ele
Que um dia se vingava

A mudança de Roberto
Abalou o bairro inteiro
Pois todos podiam ver
Nele um Cristão verdadeiro
Jorge Roberto mudou
Saiu do seu desespero

Estudou bem a palavra
E depois foi batizado
Ficou feliz em saber
Que havia superado
O que fez era passado
Deus o havia perdoado

O pastor lhe arrumou
Um trabalho na cidade
Ele era ativo na igreja
Com muita felicidade
Ganhava o seu salário
Vivendo com honestidade

Terminada a conferencia
O pastor então partiu
Foi para outra cidade
E dele se despediu
Feliz e louvando a Deus
Por tudo aquilo que viu

Dois anos então se passaram
Jorge Roberto venceu
Mais a gang em que ele estava
Cumpriu o que prometeu
O chamava de traidor
Sem aceitar o que se deu

Em um sábado de manhã
Depois do culto divino
A gang então resolveu
Com seu instinto assassino
Dar fim a Jorge Roberto
E selar com o seu destino

Na saída da igreja
Pegaram-lhe a traição
Deram-lhe muitas facadas
Deixaram caído ao chão.
Jorge Roberto caiu
Gritando por um irmão.

Este correu ao socorro
Sem poder dar solução
Caído sobre o seu sangue
Apertando sua mão
Jorge Roberto gemia
Puxando a respiração

Jorge Roberto caído
Para o irmã o irmão assim falou
Não importa meu passado
Agora sei quem eu sou
- Morro feliz por saber
Que Jesus me perdoou.

- Estou morrendo meu irmão!
Minha vida foi um fel
Ainda todos me julgam
Acham que ainda sou réu
Mais diga ao pastor Bullon
Que agente se ver no céu.

Jorge Roberto morreu
Isso me foi relatado
Tudo quanto ele fez
Pra Deus isso é passado
O que importa é que por Deus
Foi o rapaz perdoado.

Amarga é a vida do crime
Melhor mesmo é fugir dela
Andar na margem da lei
Um dia vai para sela
Rivais é só o que encontra
Infeliz que vive nela.


José Amauri Clemente
Janeiro de 2005
Todos os direitos reservados



































Fato relatado em um sermão do Pastor Alejandro Bullon.
Pastor da Igreja Adventista do 7º Dia

Nenhum comentário:

Postar um comentário