12 de mar de 2014

SÓ SE APRENDE QUANDO APANHA



AUTOR: JOSÉ AMAURI CLEMENTE


Tem um proverbio falado
É o mais certo do mundo
Quem criou tava inspirado
Tem um saber bem profundo
Que brasileiro tem manha
Só aprende quando apanha
Leva pau e sai gritando
Vou relatar pra os amigos
O que aconteceu comigo
E tu vai sair chorando

Vou contar em passos  lento
Pra puder chegar no fim
Falar do meu casamento
Contar titim por tim tim
Um caso que não deu certo
Pois eu metido a esperto
Fui dá uma de durão
Acabei perdendo a fama
Por viver de cama em cama
E metido a Ricardão

Me casei com uma pessoa
Bonita de fazer gosto
Além de bonita boa
Sem um defeito no rosto
Dessas bonita e formosa
Que mais parece uma rosa
Que enfeita o mundo inteiro
Andava sempre cheirosa
Bonita e boa de prosa
Um sonho de brasileiro

Quando me casei com ela
Nem tinha onde me sentar
Nem uma caixa de vela
Eu poderia comprar
Mas nós trabalhamos junto
Sempre com o mermo assunto
De um dia miorá
Até que em poucos janeiros
Nós já tinha algum dinheiro
Por que sabia juntar.

Meu casamento ia bem
Agente era bem feliz
Na nossa vida ninguém
Ia meter o nariz
Combinava direitinho
No lar só tinha carinho
Amor e satisfação
Até que um certo dia
Eu fiz uma covardia
E fiz uma traição

Nos conseio do amigo
Arrumei outra muié
Amigo não inimigo
Que o nosso bem não qué
Fui me envolvendo rapaz
De notar não fui capaz
Onde tava me metendo
Recebi conseio de sobra
Ela virou uma cobra
Depois que ficou sabendo

Me chamou pra conversar
E deu aconselhamento
Lutou para conservar
Tanto o nosso casamento
Mais é que estava cego
Satisfazendo meu ego
Nem beleza nela via
Eu lamento nessa hora
Por que ela foi embora
Faz dois anos e quinze dias

Foram dois anos lutando
Dizendo que eu tava errado
Que a outra só me queria
Quando eu tivesse abastado
Mas quando eu tivesse liso
Ia ter um prejuízo
E ser jogado na lama
Hoje percebo a cilada
Tô dormindo na calçada
E fui jogado da cama

O dinheiro repartido
A prostituta comeu
Arrumou outro marido
E de mim já se esqueceu
Já chorei que só o cão
Voltei pedindo perdão
Chorando desconfiado
Mais ela nem deu ouvido
Pois já tem outro marido
Não me quer mais nem pintado

Gastei tudo quanto tinha
Com a bandida safada
Casa, comida e cozinha
Nunca lhe faltava nada
Tudo que pedia eu dava
Tudo que eu dava gastava
E queria muito mais
E eu como moribundo
Me tornei um vagabundo
Porque baguncei demais

Outra mulher como aquela
Eu morro e não vejo mais
Nem buscando a luz de vela
Ou procurar nos jornais
Perdi por que não pensei
Nem mesmo valorizei
Quem firmou comigo a lida
Trocar uma mulé de luta
Por beijo de prostituva
É a pior coisa da vida

Já dizia o pregador
E quem leu tá lhe dizendo
O que vale é o amor
Viva o que tiver vivendo
Preste atenção no que eu digo
Ouça o conseio de amigo
Se não for pra confusão
Pois para ganhar na vida
O mais que vale a perdida
É o pedaço de pão.

JOSE AMAURI CLEMENTE

Nenhum comentário:

Postar um comentário