17 de mai de 2010

COMUNICAÇÃO. EXCESSO OU FALTA?



Os recursos tecnológicos que nascem a cada dia, têm aproximado pessoas, encurtado distancias excluído privacidades e transformado o mundo em uma sala. No entanto milhares de crianças, esposas, e parentes dariam tudo pra sair da solidão.

Encurralados em um quarto, fixado à tela de um computador, jovens abandonam a vida real e passam a vegetar no mundo virtual. Tráfico de drogas, pedofilia, plágios, apologias ao crime e a violência correm nas veias da rede infectando crianças, jovens e adultos.

Mesmo com tantos meios de comunicação, o diálogo entre a família está se extinguindo. Conversa-se através do computador com “amigos” que estão do outro lado do mundo, enquanto filhos isolados em um quarto da casa dariam tudo para ter um pouco de atenção dos pais. Esposas que revelam seus segredos para o mundo através de sites de relacionamentos, queixam-se que os maridos não as ouvem, enquanto isso, os maridos pagam fortunas a garotas de programas que conheceram pela rede mundial de computadores, apenas para revelarem que gostariam de receber um pouco de atenção das esposas.

Milhões de dólares são investidos anualmente pelas empresas telefônicas, contratando profissionais para ficar do lado oposto da linha ouvindo relatos de homens traídos, mulheres feridas psicologicamente e filhos que desabafam o que gostariam de contar aos pais.

O diálogo entre parceiros tem sido cada vez mais escasso, é dado mais importância às noticias do dia, ao resultado do jogo de futebol e ao capitulo da novela.

Não vai demorar e as secretárias eletrônicas terão mensagens gravadas para responderem aos que ligarem para a família:

Se você é filho, tecle 1, se você o cônjuge tecle 2, se é amigo ou parente, tecle 3.....

O pastor e escritor Rubem M. Scheffel em seu livro Com a Eterndade no coração, publicado em 2010 pela Casa Publicadora Brasileira, meditação do dia 17 de maio do mesmo ano, comenta algo parecido com: Não seria surpresa se ao ligar para a esposa a gravação da secretária eletrônica tivesse mensagens como:

Para saber o cardápio de hoje, tecle 1, para me pedir desculpas pela briga de ontem, tecle 2, para marcarmos um dia para almoçar fora, tecle 3, para pedir o divorcio tecle 4, para voltar ao menu inicial tecle 5...

Um artigo publicado pela revista Veja, mostra que “A cada quatro casais que disseram "sim" diante do altar no ano de 2007, um matrimônio terminava em divórcio, segundo informou um levantamento publicado nesta quinta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo o estudo, no ano passado, o Brasil somou 916.006 registros de casamentos - 2,9% a mais do que em 2006 - e 231.329 divórcios...

... de acordo com o instituto, a taxa é ascendente ao longo dos anos. Entre o período de 1984 e 2007, o índice subiu 200%. Segundo o IBGE, nesse período, a taxa passou de 0,46 divórcio para cada mil habitantes para 1,49 divórcio por mil. Em números absolutos, as separações legais passaram de 30.847, em 1984, para 179.342, em 2007.”

http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/divorcio-cada-quatro-casamentos-407053.shtml

CLIQUE NO LINK ACIMA E LEIA O ARTIGO COMPLETO


Alguém já afirmou que a família é uma instituição falida. Seria isso verdade? Falida ou abrindo concordata, certo é que a felicidade não é utopia, basta um pouco de atenção aos que nos rodeiam e os resultados sonhados virão.


José Amauri Clemente

Maio, 2010


Nenhum comentário:

Postar um comentário